5 Passos para sair de Processos Repetitivos

Você já se percebeu andando em círculos?

Já teve a sensação de repetir comportamentos, viver a mesma história repetidamente? Como se caísse sempre no mesmo buraco?

Deixe eu te falar sobre um texto muito especial que recebi há muitos anos, é uma metáfora que nos convida a refletir sobre processos que se repetem em nossa vida. Desconheço o autor.

 

Autobiografia em 5 capítulos

  • Ando pela rua . Há um buraco fundo na calçada . Eu caio
    Estou perdido… sem esperança. Não é culpa minha.
    Levo muito tempo para encontrar a saída.

    2) Ando pela mesma rua. Há um buraco fundo na calçada
    Mas finjo não vê-lo. Caio nele de novo.
    Não posso acreditar que estou no mesmo lugar. Mas não é culpa minha. Ainda assim levo um tempão para sair.

    3) Ando pela mesma rua. Há um buraco fundo na calçada. Vejo que ele ali está 
    Ainda assim caio… é um hábito. Meus olhos se abrem. Sei onde estou.  É minha culpa. Saio imediatamente.

    4) Ando pela mesma rua. Há um buraco fundo na calçada.
    Dou a volta. 

    5) Ando por outra rua. 

 

E você já consegue andar por outra rua?  Ou se mantem andando pela mesma rua? Caindo nos mesmos buracos. Vivendo os mesmos processos? Os mesmos sofrimentos?

O que te mantem andando pela mesma rua, buscando os mesmos buracos ?

Para sairmos de processos repetitivos precisamos entender o que acontece e como parar. Preparei os 5 Passos para se Libertar de processos repetitivos.

5 PASSOS PARA SE LIBERTAR DE PROCESSOS REPETITIVOS.

1 –  CONHECER O PROCESSO REPETITIVO:

o que é ?  é uma emoção? é um comportamento?  É uma crença? É um evento?

2 – EVITAR NEGAR, CULPAR OU FUGIR DO PROCESSO:

Não adianta negar, não querer entrar em contato, pois, enquanto negamos sua existência, nada muda, continuamos a repetir.

Não adianta Culpar outra pessoa pelo que estamos vivendo, enquanto não nos responsabilizamos pela parte que nos cabe, não resolvemos a questão, e voltamos a repetir o mesmo processo.

Não adianta fugir. Criamos muitas fugas psicológicas, formas de distração, para não entrar em contato. Dentre elas: investimos muito tempo em frente a TV, nas redes sociais, conversas, etc. Nos dedicamos em excesso com comidas, sexo, exercícios físicos, etc. Enfim, nos envolvemos com distrações de toda ordem.

3 – CONTEMPLAR O PROCESSO E QUESTIONAR:

Olhar para o processo repetitivo, considerar e perceber todas as suas partes, suas nuances, suas diferentes faces, sem julgamento, com um olhar compassivo e acolhedor. E, a partir deste olhar…

Questionar: o que deste processo é minha responsabilidade?                   Ao assumir a responsabilidade pelo nosso processo, pelo que estamos sentindo e vivendo, poderemos iniciar uma mudança. Qualquer mudança só é possível a partir de quando assumimos a parte que nos cabe.

4 – EXTRAIR O APRENDIZADO:

Em tudo que acontece tem sempre algo a ser aprendido. Podemos extrair o aprendizado que este processo, esta experiência, nos possibilita, e a partir dele fazer diferente.

Para extrair o aprendizado podemos simplesmente perguntar: o que posso aprender com isto?

E, a partir de um estado de abertura, podemos perceber o(s)  aprendizado(s).  Quando aprendemos com a situação não precisamos mais repeti-la, seguimos adiante.

5 – TOMAR UMA DECISÃO:

Tomar uma decisão sobre qual mudança implementar neste momento.

Após olhar para o processo, analisar os aprendizados e a responsabilidade que nos cabe no processo, estamos prontos para escolher o que queremos para a nossa vida.

Talvez a decisão seja de aceitar alguma coisa que aconteceu, um evento, algo que já faz parte do passado, e podemos decidir simplesmente esquecer.

Talvez a decisão seja aceitar ou não aceitar algum comportamento de alguém.

Talvez a decisão seja abrir mão de algo.

Talvez  a decisão seja buscar ajuda de um profissional. Quando não conseguimos resolver sozinhos, precisamos de ajuda de um profissional preparado.

 

Estes são os 5 passos espero que eles possam te ajudar. Se tiver dúvidas fale comigo.

Beatriz Bruehmueller

Psicóloga